Reflexões acerca o comportamento sexual feminino do século XXI - parte 1

Sobre as MADAs - Mulheres que Amam Demais:

 

 

Uma das principais características das madas é a intolerância às frustrações e a necessidade de controle.

 

 

• A principal queixa da mulher antiga era que ela não gozava que ela não tinha prazer no ato sexual, e que por isso, o casamento era uma prisão. Hoje, as mulheres são livres e continuam sofrendo. Uma das razões disso, é que elas traduziram o amor e a liberdade como demonstração de poder.

 

 

•             A MADA ama demais no momento em que precisa desse amor pra se afirmar na sociedade. A MADA é a mulher que precisa do marido ou do namorado para demonstrar valor e sucesso na vida. Os valores feministas criaram uma cultura paradoxal. As mulheres buscam poder, mas o símbolo do poder, para a mulher heterossexual é o homem. Ter poder para a mulher de hoje significa dominar os homens. Então a MADA sofre por um homem, porque no fundo ela agoniza a frustração de não ter poder. Poder é sempre relativo para mulher. A mulher rica, mas encalhada e sozinha é vista pela mulher de hoje como fracassada. É por isso que amar demais não tem relação com amor, ou com o homem, mas com prestígio, valor e vaidade.

 

•             A MADA é um ser teatral. A MADA não entende que ela não pode obrigar o mundo, ou o homem que ela "ama", a se adaptar aos seus caprichos. E por não entender isso, ela é incapaz de assumir a responsabilidade pelos erros que comete. A MADA é uma mulher que não aceita que erra e que por isso, não muda. A mulher precisa entender que ela não tem e nunca terá o controle absoluto da realidade e se curar dessa vaidade e dessa exigência excessiva, que a ilude e a faz errar repetidamente. A MADA de hoje foi a mulher linda e atraente de anos atrás.

 

•             A MADA era uma mulher tão atraente que achava que tinha o controle total da realidade. Ela achava que poderia casar com qualquer homem, que era intocável, que tinha opções infinitas de relacionamento. Ela vivia como se tivesse um poder ilimitado e como se pudesse gastá-lo humilhando homens limitados que se aproximam, sem se preocupar com nada.

 

•             Algumas MADAs foram mulheres promíscuas. Esse é o ponto mais delicado. Graças ao feminismo, muitas mulheres entram na promiscuidade achando que isso não terá conseqüências negativas. Elas acham que o homem que a rejeitar é machista. Este é apenas mais um erro, e, um grande erro das mulheres de hoje. A mulher não mudará a sociedade, nem os valores do homem de uma hora pra outra. As MADAs apostam na aceitação incondicional do homem amado, graças à ilusão de pensarem que são mais atraentes do realmente são. Muitas MADAs são mulheres arrependidas de seu passado promíscuo, e, se recusam a acreditar que esse passado foi uma escolha arriscada e precipitada. Então, enlouquecem quando finalmente encontram o "homem da vida delas" e este não aceita o que elas fizeram. Aqui, a culpa será sempre do homem.

 

 

•             Uma mulher que foi exigente, vaidosa no passado, jamais reconhecerá que errou. Então, a culpa será sempre do homem. Elas jamais reconhecerão a promiscuidade como um risco. Enlouquecerão e passarão a ter raiva dos homens ao invés delas mesma. Elas passarão a chamar o amado de machista, a sociedade de machista e criticarão tudo, porque a realidade não se adaptará àquilo que ela queria.

 

•             A mulher que ama demais é uma mulher que não suporta a perda do poder, do controle, porque é extremamente exigente. Ela é tão exigente que prefere culpar o mundo inteiro a si mesma.

 

•             As MADAs não amam os homens em si, mas a função social que eles desempenham. A MADA é uma mulher que usa o homem pra provar as coisas perante a sociedade. Ela não tem consciência do valor dela em si mesma e por isso ela precisa de um homem-troféu pra demonstrar o valor que ela possui perante outras mulheres. As MADAs são mulheres que "amam demais" homens num contexto exibicionista.

 

•             MADAs são mulheres excessivamente exigentes que querem ter troféus a qualquer custo. Elas querem um homem pra provocar as outras de qualquer jeito, porque o orgulho delas não assimila ter um homem que não serve pra provocações sociais e competições sociais.

 

•             As MADAs nunca sofrem por homens bem mais limitados do que elas. Elas supervalorizam o que são e acham que merecem o troféu que querem. Elas não possuem baixa auto-estima. Elas têm complexo de superioridade. A mulher que tem baixa auto-estima é realista e não sofre por ricos, bonitos, bombados, homens assediados e chamativos. E as MADAs sofrem por troféus e não por homens comuns e limitados, que as mulheres não disputam. Tudo gira em torno da vaidade, e, da necessidade de provação, perante rivais.

 

•             Elas se culpam por não serem capazes de segurar o troféu. A MADA não tem medo de perder o homem. Ela tem medo do homem da outra, ser melhor do que o dela! A MADA padece do narcisismo e do complexo de superioridade, pois ela quer ser melhor do que as outras. Ela não sofre realmente por homem algum.

 

•             O grupo de apoio das MADAs acha que elas sofrem de baixa auto-estima e ensina as mulheres a amarem a si próprias! Essa política é desastrosa porque deixa mulheres iludidas ainda mais iludidas. Então elas vão se valorizar pra procurar um modelo mítico de homem, pouco realista.

 

•             MADAs são mulheres limitadas que querem o homem perfeito, mas elas não possuem as credenciais para isso. Então, elas fingem um masoquismo virtuoso pra justificar essa ilusão megalomaníaca.

 

Fonte: http://forum.bufalo.info/showthread.php?tid=2680

Atenção: O MeFode.net não é uma agência, mas sim um veículo de divulgação e propaganda. Nós não nos responsabilizamos pelo que aqui for anunciado, uma vez que este é de única e exclusiva responsabilidade de seus anunciantes. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS